Seja bem-vindo. Hoje é

04/04/08

Orgulho em ser portista

  • "O jogo vai ser mais difícil do que seria numa situação normal. Há muita pressão, ainda que positiva, num dia que será muito especial. Mas acreditamos que vamos conquistar já o título. Um título marcado com muita qualidade, em que fomos muito superiores à restante concorrência"
    Jesualdo Ferreira

    Nós também acreditamos. E estamos prontos para a festa. Mas gostaria de aproveitar este post para pedir a quem vai ao Dragão para dar o máximo no apoio à equipa. E, já agora, seria bonito ouvir 50 000 vozes cantarem em apoio ao nosso Presidente. Ele merece. Basta recordarmos como Eusébio chegou ao Benfica, um certo Calabote, Bruno Paixão, Lucilio Baptista, Paulo Paraty, o jogo de CampoMaior, os quatro pénaltis que nos roubaram em Alvalade, o golo anulado à U.Leiria em Alvalade, os casos de doping no Benfica, a inscrição de Ricardo Rocha, o vergonhoso jogo do Algarve, os negócios entre a EPUL e os dois clubes da segunda circular, os imensos almoços de dirigentes do Benfica com árbitros e dirigentes da arbitragem, as escutas em que Luís Filipe Vieira, José Veiga e João Rodrigues escolheram árbitros para o Benfica, ou o crescente salazarismo da imprensa que nos últimos anos tem encostado os jornalistas que são incómodos para o regime (Ferreira Fernandes ou António Tavares-Telles entre outros), para termos a certeza que os batoteiros não somos nós.

    Cada vez tenho mais orgulho em ser portista!

  • Assim só querem os fundamentalistas

    Como Ferreira Fernandes, conhecido jornalista, adepto do Benfica, comentou o último título conquistado pelo Benfica, uns dias antes do jogo do Bessa:

    Assim não quero

    Este ano é para esquecer. Cá estarei para o ano, para sair à rua, gritando pelo meu Benfica que ganhou um campeonato, o primeiro limpamente ao fim de uma dúzia de anos.

    Sou benfiquista e estou incomodado. Envergonho-me pelos favorecimentos ilegítimos que, esta época, o Benfica tem tido. Sendo benfiquista, não posso dizê-lo? Não importa, digo-o na mesma. Era o que faltava, prescindir do meu direito de falar sobre o futebol, quando a minha vida foi toda determinada por não deixar de ter opinião.

    Sou benfiquista como podia não sê-lo. Digo-o porque, ouvindo alguns, parece que ser de um clube aconteceu-lhes como a escolha de S. Paulo, na estrada de Damasco. Comigo, não. Deus não me apareceu, apontando a águia. Eu poderia ter sido do Porto, porque meu pai o era – a herança é um motivo nobre para se ser de um clube. Poderia ter sido do Sporting, porque a maioria dos da minha terra, da geração que me formou, o era – adesão devida, julgo, ao nosso conterrâneo Peyroteo, o primeiro futebolista angolano a singrar. A melhor das explicações que conheço para se começar a ser de um clube é dada por Miguel Sousa Tavares. Ele dá mais razões mas gosto desta: por o FC Porto ter a camisola mais bonita do Mundo. Eu tornei-me do Benfica pela mesmíssima razão: por um acaso qualquer.

    Depois de me ter acontecido, por razões inexplicáveis, ser benfiquista, sucederam coisas com mais fundamento: sou do Benfica porque não sou ingrato. Adolescente nos anos 60, eu era do Benfica pela mesma razão que um garoto da cidadezinha de Hoboken, nos anos 40, era fã de Frank Sinatra ou um finlandês de hoje usa Nokia. Como não termos orgulho no nosso único produto de exportação? Relatos chegados ao Hemisfério Sul, directamente de Berna e Amesterdão confirmaram que eu tinha escolhido o que devia.

    Mais tarde a adesão ficou definitivamente firme. Não era só aquele quinteto – José Augusto, Coluna, Torres, Eusébio e Simões – que me empolgava. O Benfica não era só bom: era único e precursor. Eu explico. Sou um filho dos anos 60 e vi o meu clube ensinar à Europa o que ela só conheceria décadas depois. Nos anos 60, quase não havia negros nos clubes europeus e o Benfica sempre os teve e bons: Santana, Eusébio, Coluna, Yaúca... Mas, sobretudo, o Benfica tinha um patrão negro, Coluna. Um patrão-patrão: aquele que mandava e era respeitado pelos seus, à vista de todo o estádio. Hoje, dir-me-ão, que banalidade. Sim, como o voto das mulheres ou não enforcar prisioneiros. Mas alguém teve de apontar o caminho: o papel coube ao meu Benfica.

    Isto para dizer que o meu clube é de outro campeonato, que não dessas historietas como a do jogo do Estoril no Algarve ou aquele penálti contra o Belenenses. Com outros também há falcatruas assim? Claro que há, mas as falcatruas dos outros só me irritam, não me ofendem. Como me irritam tantos anos sem ganhar um campeonato, mas não me ofendem. Ofende-me é que alguém se tenha esquecido do que me habituou: grandeza.

    Esta época, o Benfica ou ganha o campeonato ou não ganha. Se não ganha, será mais um, em onze anos, a não ganhar. Se ganha, é para esquecer: assim não quero. Cá estarei para o ano, para sair à rua, gritando pelo meu Benfica que ganhou um campeonato, o primeiro limpamente ao fim de uma dúzia de anos.
  • Enviar um comentário

    Pesquisar neste blogue

    Mensagens populares

    Subscrever / Email

    Enter your email address:

    Delivered by FeedBurner

    Subscribe to PORTOGAL by Email

    2009/10: 92 dias e 18 jogos depois fez-se justiça!

    2009/10: 92 dias e 18 jogos depois fez-se justiça!
    Hulk e Sapunaru foram castigados com apenas 3 e 4 jogos.
    tag cloud Portugal Top Estou no Blog.com.pt blogaqui? Assinar com Bloglines Futebol Português Eu sou Desportista